Negócio em casa: 5 idéias para montar o seu

negócio em casa

Mãe trabalhando on line

Você que já é mãe, ou que está grávida provavelmente já passou (ou vai passar) pelo dilema: E agora? Volto ou não ao mercado de trabalho? Vale a pena montar meu negócio em casa?

Relaxa, pois eu passei por isso, sua prima passou, sua amiga passou…enfim…todas as mães modernas passaram e passam por esse mesmo dilema.

Na primeira gravidez minha decisão era largar o emprego. Ahhhh como sofri com o fim da licença maternidade e a volta ao mercado de trabalho. Relato um pouco no post: “Minha licença acabou…E agora?.

Mas o post de hoje é para ajudar as mamães que se sentem perdidas e quem sabe dar uma luz pra elas tomarem a melhor decisão não só pra elas como para os bebês.

Segue abaixo algumas idéias simples que as mamães empreendedoras podem fazer de casa e não perder tempo longe das crias.

1 – Criar um curso pra vender online

Acreditem, muitas mães estão ganhando dinheiro trabalhando de casa, vendendo cursos on line através de vídeos, ebooks, prestando consultoria, etc.

Você pode nunca ter pensado nessa possibilidade, mas com certeza tem alguma coisa que você faz muito bem e com certeza do outro lado tem alguém que quer pagar pelo seu conhecimento.

Não importa se você sabe fazer artesanatos, doces, se é especialista em nutrição, nutrição infantil, finanças…seu conhecimento vale…e MUITO.

Você só precisa se organizar e colocar a mão na massa. Existem diversas plataformas que te auxiliam na construção do seu curso.

Existem também vários guias e cursos que ajudam as mamães passo a passo a começarem nesse mercado.

2 – Aulas Particulares

Dependendo da sua formação, você pode trabalhar dando aulas particulares em casa.

Por exemplo, se você é formada em pedagogia, pode trabalhar com aulas de reforço escolar.

Se você é fluente e domina o inglês pode trabalhar dando aula de inglês.

O mesmo vale para algum instrumento  musical.

Organize sua agenda. Divulgue seu trabalho e comece.

3 – Loja On Line

Uma outra forma de ganhar dinheiro de casa é criar uma loja on line.

Existem diversas plataformas gratuitas como a WIX em que você pode escolher o modelo do seu site e mãos a obra.

Se você quiser começar mais devagar, experimenta criar uma conta no instagram e fazer a divulgação dos seus produtos. É uma excelente forma de divulgar.

4 – Artesanato como um negócio em casa

Uma coisa que deve ser uma delícia para quem tem dom é trabalhar com artesanato.

Criar laços, tiaras, brinquedos educativos e uma infinidade de outras coisas deve ser uma delícia.

E aproveitando o gancho do item anterior, você pode fazer uma conta no instagram e no facebook e começar suas vendas. Não precisa ser nada elaborado.

5 – Criar um BLOG

Você pode criar um blog sobre algum assunto que você goste e domine.

Além de ser uma terapia, você pode ganhar dinheiro com ele.

Como? Através de posts patrocinados, cliques em anúncios, marketing de afiliados. Basta fazer um conteúdo de qualidade para o seu público e o retorno virá naturalmente.

Fora que é uma delícia essa interação com o público.

Deixo aqui o curso que eu fiz e que me ensinou o passo a passo para criação do meu blog.

Ele ensina como achar seu nicho, definir seu público alvo, montar seu blog, escolher seu domínio, etc. etc. etc….super recomendo.

É isso mamães….Mãos a obra…

De brinde, deixo pra vocês um convite para assistir uma aula gratuita do curso de negócios on line :O Passo A Passo Definitivo Para Criar Seu Negocio Online Começando Do Absoluto Zero”.

Não deixem de assistir, pois pode ser o ponta pé inicial que faltava nessa sua mudança.

E se gostou do post, não deixe de compartilhar e seguir a gente lá no instagram

 

Por quê escolhi a dieta low carb?

Quem me conhece há pouco tempo e me segue lá no instagram (@encontrodemamaes),fica impressionado com a minha força de vontade em acordar cedo quase que diariamente para treinar e manter a minha alimentação regrada.

São inúmeras mensagens que eu recebo de gente que desabafa e fala que gostaria de fazer igual. Confesso que fico MUITO feliz, pois de alguma forma estou conseguindo plantar a sementinha na cabeça das pessoas. Assim como algumas pessoas plantaram na minha e me fizeram dar o ponta pé inicial.

Bem…Se ela gostaria de fazer igual já é o primeiro passo. Agora ela PRECISA FAZER igual.

Mas Simone? foi sempre assim?

rs…pois é… a resposta é NÃO. Não foi sempre assim.

Aliás, quem me conhece há muito tempo está impressionado com a mudança no meu estilo de vida.

Logo eu….a que bebia Refrigerante comum, porque o zero era muito light.

Logo eu, que ia no Mc Donalds e já ia direto no Big Tasty…e sem alface e sem tomate…afinal, alface e tomate era muito light também.

Logo eu que comia uma macarronada misturada com batata palha….aff…imagina a quantidade de carboidrato.

Logo eu, a casada com Personal Trainer e que tinha pavor de academia e qualquer tipo de esporte.

Logo eu…a que ouvia diariamente: Ahhh…mas ela pode…ela é magra.

NÃO!  DEFINITIVAMENTE NÃO! MIL VEZES NÃO!

Magreza  não é sinal de saúde.

Além disso, eu era magra…sempre fui magra…minha genética é ser magra…mas estava longe do ideal. Ahhhhh, muito longe.

É aí que temos que começar a mudar.

E então, quando você começou a mudar?

Confesso que nunca fui muito adepta das dietas. Achava tudo muito sem sentido. primeiro porque as dietas costumam ser temporárias.

E aí? Como é que faz depois que acaba? Emenda uma na outra e passa a viver de dieta? Não dá né?

Segundo porque as dietas são MUITO restritivas. Conclusão? Você começa a sentir uma falta absurda de determinadas coisas que não podem e depois come em dobro. E aí cai naquele ciclo vicioso e frustante, pois a dieta que já é temporária foi pro brejo no meio do caminho e você vai precisar começar tudo de novo. E como você não vai começar mesmo….é melhor se afundar nas besteiras….Aí já era.

E então? quando tudo começou a mudar?

Começou a mudar quando comecei a me reeducar. Primeiro a cabeça eu tive que mudar.

Parar de pensar no meu físico. É claro que minha barriga não ia acabar porque eu parei de comer batata frita, ou porque cortei o brigadeiro. Eu iria ficar nessa frustação ad eternum.

Mas qualquer dose de batata frita cortada já ia fazer um bem extremo pra minha saúde.

E então você começa a evitar. Evita um dia…dois dias…três dias, porque sabe que não é bom. É aquela sofrência…você vê batatas fritas gigantes por tudo quanto é lugar. Mas você ainda está no racional. Não posso comer porquê não faz bem. Mas a vontade está lá. Seu organismo se adaptando sem ela. Aí você não aguenta e PIMBA! Devora um prato de batata frita.

O que acontece? Passa mal….e aí começa a criar consciência de que vive MUITÍSSIMO melhor sem ela. E aí naturalmente seus hábitos vão mudando.

Lógico, isso foi um exemplo….mas foi assim que comecei a me reeducar. Pensava no mal que aquele alimento me fazia. e quando eu comia, tinha certeza no mal que ele trazia.

Então meninas…aí é que está…o lance é a nossa cabeça a gente mudar….e parar de neura com o corpo.

Quando você começar a se cuidar por dentro, querer só o que te faz bem…ingerir só o que te faz bem, isso vai se tornar um ciclo vicioso também….só que do BEM. O foco não vai ser seu corpo…O foco será sua saúde e você verá que tudo começa a se encaixa. A pele melhora, o cabelo melhora, sua disposição e energia melhoram. Conclusão, você vai sentir NECESSIDADE de se tornar melhor, praticar uma atividade física…não por obrigação. Mas por vontade! O que faz toda a diferença.

Mas por quê a low carb?

Primeiro, como falei lá em cima, nunca fui fã de dietas…mas achava surreal amigas minhas tomando água com limão o dia inteiro. Comendo alface e tomate no almoço e na janta. Mas minha gente…é óbvio que não pode dar certo né.

E como a LOW CARB era a modinha da vez…dos nutricionistas, das blogueiras, das amigas e etc…isso começava a aparecer na minha vida sem querer. E comecei a me interessar pois os pratos pareciam ser tão apetitosos rs.

Segundo, porque depois de me aprofundar mais, percebi que a dieta low carb é muito mais do que apenas uma dieta. É uma reeducação alimentar (você pode ler mais sobre a low carb nesse site…que está muito bem explicado e escolher a melhor dieta low carb para você e entender mais vindo de um especialista…só clicar aqui).

Ou seja, você consegue emagrecer com saúde….de uma maneira sustentável…transformando isso em um estilo de vida.

Terceiro porque você come comida de verdade. Você pode comer um pouco daquele bacon que você tanto ama. A pele daquele franquinho…isso porquê com o desenvolver desse estilo, seu corpo aprende a tirar a gordura dos alimentos…deixando de acumular no tecido adiposo e queimando como energia.

Tá bom ou quer mais?

E como começar?

Se você está lendo esse post já é um bom sinal rs. Já plantei a sementinha de como começar um estilo de vida mais saudável.

Você pode começar fazendo pesquisas na internet, buscando receitas low carb, mas confesso que vai vir uma enxurrada de informações nem sempre confiáveis e você vai se sentir perdida.

Eu resolvi comprar esse cardápio low carb de uma instituição super confiável, que veio com cardápio completo de 91 dias, mais de 50 receitas low carb, lista de alimentos permitidos, e várias outras coisas.

Esse foi o que eu comprei e super me adaptei, mas tem outros.

Não deixe de começar a mudar seu estilo de vida hoje.

Ahhh Gostou do post? não esquece de compartilhar e curtir.

E se quiser um bônus das minhas receitas preferidas e mais práticas (afinal, mãe de duas né?), assina o blog aqui do lado direito e comenta aqui nesse post que eu mando.

Abaixo alguns exemplos de refeição low carb. E aí? Não vale a pena?

Trufa de Chocolate Low Carb

Trufa de Chocolate Low Carb
Fonte: https://www.ganhaquemperde.com.br/receitas/1441-trufas-de-chocolate-lowcarb

Coxinha Low Carb

Coxinha low carb feita com farinha de côco. Fonte: https://low-carbdiet.com/coxinha-low-carb/

Pão Low Carb com Ricota. Fonte: http://www.seucorpoperfeito.com.br/pao-low-carb-com-ricota-receita-completa-e-como-consumir

Pão Low Carb com Ricota Fonte:http://www.seucorpoperfeito.com.br/pao-low-carb-com-ricota-receita-completa-e-como-consumir

 

Buddha Eden – Um cantinho de paz perto de Lisboa

Ah gente….

Cada vez que visito um parque aqui em Portugal eu falo: Ahhh esse é meu preferido.

Ou seja…o preferido é sempre o último rs.

Mas esse realmente me encantou. Bacalhôa Buddha Éden, o maior jardim oriental da Europa.

Localizado na Quinta dos Loridos em Bombarral, no distrito de Leiria, cerca de 1 hora de carro de Lisboa.

Nesse jardim, com cerca de 35 hectares, você pode conferir esculturas modernas e contemporâneas, cuidadosamente colocada entre a vegetação, promovendo um ambiente de muita paz e tranquilidade….independente de qualquer tipo de crença, credo ou religião.

O auge do jardim é a escadaria central, onde os Buddhas dourados dão as boas-vindas aos visitantes.

Uma das estátuas douradas

Uma das estátuas douradas

Estátua dourada no fundo

Estátua dourada no fundo

Preço

Agora vamos aos preços. Quer por sinal é super justo:

  • Crianças até 12 anos não pagam.
  • Adultos e crianças acima de 12 anos pagam 4 euros.

E você tem a opção de pegar um comboio (trenzinho) lá dentro, e saltar em 3 estações diferentes. Ele passa a cada 25 minutos nas estações. O trem custa 3 euros e crianças até 3 anos não paga (Bela com 5 eles deixaram não pagar rs).

Dá tranquilamente para conhecer o Jardim todo a pé. Mas o trenzinho é tão fofo que vale o passeio com as crianças.

Onde comer?

Lá dentro tem um restaurante super charmosinho. Não tem muita variedade de comida.

Você paga o menu completo com Sopa + Prato Principal + Bebida (água, vinho ou refrigerante) + Sobremesa + Café por 11,50 euros. Achei super justo.

Restaurante do Buddha Eden Garden

Restaurante

O prato é muito bem servido.

Ao sair do Jardim, você dá de cara com uma loja de vinhos maravilhosa com preços super acessíveis. A famosa Bacalhôa Vinhos de Portugal Já garantimos o nosso do Natal.

Segue mais fotos…Super recomendo o passeio com a criançada.

Namstê

Namastê

Aquela paz

Aquela paz

Namastê Marina

Namastê Marina

 

A primeira experiência com a perda. Eles sentem.

A primeira experiência com a perda…

Difícil…

Quem me segue no instagram viu que passei um dos piores momentos da minha mudança, 3 meses depois da minha chegada.

A perda da minha vó. A perda da bisa das meninas. A perda da paixão da minha vida. Aliás, perdi as 2 avós quando cheguei em Portugal. A minha avó paterna faleceu depois de 2 semanas aqui e isso nos desestabilizou um pouco. Mas eu tinha pouco contato com ela. As meninas também. Foi difícil? Foi. Toda perda dos que amamos nos faz questionar uma série de coisas. Mas não houve tanto questionamento por parte da Bela, pois o contato com ela era bem pequeno e isso facilitou as coisas.

Já a minha vó materna não era só uma vó de final de semana. Minha vó ajudou a me criar. Minha vó ajudou a criar minhas filhas.

Minha vó morava com meus pais. Eu todo dia estava na casa dos meus pais. Nos últimos 4 meses pré mudança eu aluguei meu apartamento e fui morar com meus pais e com a minha vó.

Minha vó era A VÓ.

Guerreira. Ativa. Lúcida no auge dos seus 93 anos.

Amava cozinhar para as meninas. E nada de colocar a louça na máquina. Isso é para os fracos rs. Ela gostava mesmo era de lavar na mão.

Tudo feito com muito capricho.

Sempre presente em TODOS os momentos marcantes da minha vida.

Aniversários, casamento, noivado, descoberta da gravidez, parto, primeiros cuidados, primeira papinha, etc.

Não é a toa que as meninas eram apaixonadas por ela.

Vibravam quando ouviam ela sair do quartinho dela e arrastar aquele chinelinho pela casa.

Amor de bisa

26/05/201 7

A última vez que a vi. A ÚNICA pessoa a qual eu não tive coragem de me despedir. Simplesmente deixei ela ir. Como se no outro dia eu a fosse encontrar de novo. Pensei que assim fosse mais fácil…mas não foi….não tinha jeito fácil ao vê-la partir.

28/05/2017

Data da minha mudança. Data em que eu peguei o vôo para Portugal…graças a ela…minha vó…Portuguesa. Se não fosse ela, eu não estaria aqui. Eu não poderia estar aqui.

Criança sente. A gente sente.

Lembro como se fosse hoje. 19/08/2017 Bela se aninha no sofá, do meu lado e com bico igual ao meu quando quer chorar… chega e fala: “Mamãe, estou com saudades da bisa.”

No dia anterior eu havia feito um post no instagram. Não tinha como ela saber.

A cena se repetiu inúmeras vezes TODOS os dias.

Várias vezes peguei ela quietinha e perguntei: “Bela, aconteceu alguma coisa?”. E ela disse: estou com saudades da bisa.

15/09/2017 – Meninas na escola. Marcus chegou em casa…eu me descontrolei. Chorei. Compulsivamente chorei. O Porquê? Eu não sei…simplesmente chorei.

Parecia que ali eu já imaginava o que estava por vir.

Ela se foi

Dois dias depois ela se foi…dia 17/09/2017, vésperas do meu aniversário de casamento.

Minha vó estava internada há alguns dias…poucos dias. Mas eu estava tão tranquila. Minha vó já saiu de tantas. Há anos atrás o Marcus já tinha me aconselhado a esperar pelo pior quando ela passou por uma internação.

Minha mãe estava preocupada. Eu? nenhum pouco. Tinha certeza que não seria nada.

Mas dessa vez foi. Dessa vez, ela se foi.

Marcus me deu a notícia.Foi um soco no estômago. Foi uma dor física. Tive que me abaixar. E ele me amparar.

Bela assustada perguntou porque eu estava a chorar….mas eu não a quis assustar. Disse que o papai me deu um susto…foi o que mais rápido eu consegui inventar.

Doeu…dói…me desestabilizou. Desestabilizou a todos nós.

As bisas nunca morrem

“As bisas não morrem…elas viram estrelinhas lá no céu….e a mais brilhante é ela piscando pra você.”

E foi assim, no dia seguinte, que eu expliquei pra Bela o que tinha acontecido.

Por incrível que pareça ela perguntou  quando veria a Bisa. E eu disse que papai do céu gostava tanto, mas tanto da bisa que levou ela para o céu em forma de estrelinha pra ficar perto dele.

E que papai do céu gosta tando, mas tando dela (Bela), que agora ela pode ver a bisa todos os dias. É só olhar para o céu e ver a estrelinha mais brilhante.

Família reunida no batizado da Marina

A primeira experiência com a perda

Agradeço muito a oportunidade das minhas filhas poderem ter convivido e MUITO com a bisa.

Agradeço muito a bisa poder ter convivido com elas. Com certeza foram momentos muito felizes para as 3. Momentos que marcam a infância. Momentos que marcam a vida.

Há quem diga que criança tem que saber a verdade. Eu já sou a favor de contar da melhor forma pra idade.

E foi assim que passamos e estamos passando pela nossa primeira experiência com a perda.

Pra mim…e pra elas.

Uma homenagem a minha vozinha…

O PIOR dia da minha vida!

Essa semana fez exatamente 2 anos do pior dia da minha vida.

Acho que nunca contei aqui, mas agora resolvi me abrir e alertar aos pais a importância do cinto de segurança e da cadeirinha de bebê nos automóveis.

Lembro como se fosse hoje. Festa de dia das crianças no trabalho. Bela toda animada. Marina, ainda na barriga no auge dos meus 6 meses de gravidez.

Estávamos as duas (Bela e eu) super empolgadas com a festa. Falamos nisso a semana inteira.

Deixei a Bela na creche e fui para o trabalho. Bela estava LINDA com o vestido que ela mesmo escolheu. Fiz o penteado do jeito que ela gostava…pra todo mundo elogiar.

O combinado era às 12:00 hs eu ir buscá-la para ela curtir a festa do trabalho da mamãe junto com as outras crianças enquanto a mamãe trabalhava. Ou tentava. Era uma sexta feira.

Perto de 12:00 fui buscá-la….feliz e contente. Muita coisa pra fazer no trabalho. Aquela pressão. Festa. Trânsito. Reunião. Enfim…

Cheguei na creche…Coloquei-a na cadeirinha do carro. Coloquei o cinto de segurança. FOI MINHA SORTE. Sorte não…obrigação. Mas como no RJ às vezes temos que escolher se colocamos o cinto ou não, pois nunca sabemos quando precisamos tirá-los correndo, a OBRIGAÇÃO se transformou em SORTE.

Entrei no carro. Com a dificuldade de quem estava prestes a entrar nos 7 meses de gravidez….como barrigão. Sentei. Coloquei meu cinto e fomos….

Cantando como sempre fazíamos.

Há exatos 5 minutos de chegar ao trabalho….uma curva em S…junto da curva entrou comigo um caminhão….aí já era…

Aquele barulho não saí da minha cabeça até hoje.

Ele pegou a minha lateral traseira…meu carro rodou pra frente dele…e então ele me arrastou alguns metros até pararmos na mureta da obra.

Segundos que viraram uma eternidade….

Lembro até hoje o carro rodando e eu com a mão pra trás acalmando a Isabela. DESESPERADOR é a palavra.

o pior dia da minha vida.

Onde o caminhão parou

E aí Simone, o que aconteceu?

Junta gente. Querem tirar a Bela. Eu não deixo….ela estava assustada.

Querem me tirar…eu também não deixo.

Só queria ligar para o Marcus, meu marido. Mão treme. Dedo não funciona. Opa…consegui sincronizar e lembrar o número.

ligo 1, ligo 2, ligo 3….ligo 20…desisti, ele estava dando aula e não fica perto do celular.

Ligo pro meu chefe que estava há 5 minutos de lá. Não atendeu…reunião.

Ligo para uma colega de trabalho…começo a chorar e em instantes meus colegas se prontificam a sair para me ajudar.

No mesmo instante e como uma transmissão de pensamento, sei lá, a dinda da Bela me ligou. Devido a correria do dia a dia, só nos falávamos por mensagem. Mas ela sentiu….aliás…ela sempre sente meus apuros. Largou a filha recém nascida e foi lá….me ajudar.

Pessoas continuavam a juntar e eu há 5 minutos no carro só falando que queria falar com meu marido.

Surge uma alma boa e junto com o caminhoneiro me ajuda a sair do carro. Ele morava em frente. Ele tira minha filha do carro e a pega no colo. Eles vêem o tamanho da minha barriga e quase infartam.

Os bombeiros chegam eu já estou na administração do condomínio e querem me levar para o hospital público. Eu estava muito nervosa, mas bem. Bela muito nervosa…mas bem.

E Marina? Não sei….precisava saber dela com toda a segurança do mundo e um hospital público não seria o melhor lugar.

Falo com o bombeiro que não quero ir. Ele mede minha pressão e me dá um termo para assinar.

Meus amigos chegam e tentam levar meu carro pro trabalho.

A dinda da Bela chega e me leva para a maternidade para saber da Marina.

Nisso a gente tenta ligar para o Marcus….21, 22, 23… 48, 49 vezes até que ele atende e vai direto para o hospital.

o pior dia da minha vida

Caminhão no carro

Ficou tudo bem?

SIM! graças a DEUS.

O cinto de segurança e a cadeirinha salvaram minha filha. NUNCA deixem de usar. Ensinem seus filhos a se soltarem em caso de emergência. Mas coloquem o cinto de segurança neles.

O caminhão entrou EXATAMENTE onde eu estava sentada dirigindo e por um milagre nada aconteceu.

o pior dia da minha vida - porta do carro

Porta do carro

O que você aprendeu no pior dia da sua vida?

Aprendi a desacelerar por mim….por elas.

Não…eu não estava rápida no dia do acidente. Não é meu perfil ainda mais com a Bela no carro. Poderia estar desatenta talvez. Pensando nas coisas que eu tinha que fazer. Na reunião que eu precisava organizar. Na festa que minha filha tinha que aproveitar.

Ainda tenho muito o que melhorar…mas uma coisa aprendi: NADA é mais importante do que a minha família. Trabalho nenhum no mundo que traga todo o dinheiro do mundo vai me proporcionar o bem estar de estar com eles.

Hoje não vivo só um dia de cada vez, como uma hora de cada vez. Quem sabe consiga diminuir pra um minuto de cada vez.

E o carro?

Deu perda total….mas isso é só bem material.

*As fotos foram tiradas pela mesma alma boa que me ajudou. Tirou para fins de seguro.

E você? Já passou por algo parecido? Estava de cinto? Conta aqui pra gente.

Birra – 7 dicas para lidar com ela

É…a fase do Terrible TWO ou do Terrible quase TWO não é nada fácil.
Se você não sabe o que é…dá uma olhadinha nesse POST que eu fiz quando a Bela estava prestes a fazer 3 anos.

Mas Marina furacão, como vocês sabem já chegou chegando e a sequência de birra começou cedo aqui, com 1 ano e meio. E diferente da Bela, não é só responder e fazer cara feia não. Com Marina furacão o negócio é mais embaixo. Ela se joga no chão, deita de barriga pra cima e fica gritando. E ai de você se ousar encostar nela….o que era ruim fica pior…ela se transforma…quer se soltar do seu braço….se pegar então já era…ela quer se jogar do colo…resumindo: SHOW DE HORRORES…Tudo que eu jurei que filha minha não ia fazer. Mas, como ser mãe é pagar a língua, ela foi lá e fez.

Mas, como nem tudo está perdido, existe o Dr. Google, blogs e especialistas para nos ajudarem,

Reuni aqui 7 dicas do que tenho feito e que tem me ajudado bastante nesse momento de terror da birra rs.

Começando a birra

Começando a birra

Mantenha a Calma

Falar é fácil né? Mas na prática é BEM complicado.

Mas não adianta, TEMOS que manter a calma. Se você estiver desesperada e não souber como agir aí lascou.

Vê como seu filho se comporta melhor: Se com você do lado dele ou com você saindo de perto.

Aqui Marina quando vê que eu estou do lado dela, mas ignorando ela dá uma parada, já que percebe que o chilique não tá colando muito não.

Olho pra ela e falo: “Quando acabar o chilique, agente conversa.”. Pego uma revista qualquer…até o encarte do mercado rs e começo a ler, só pra ela ver que não é o foco.

Há crianças em que os pais saindo de perto se comportam melhor. Mas não foi o caso aqui.

Tenta e vê o que é melhor para seu bebê.

Evite conversar com seu filho no momento da birra

Não adianta. É super tentador a gente querer conversar, pedir pra parar.

Mas a real mesmo é que você começa a falar…ele grita daqui…você grita de lá…ele grita mais…você se descontrola e grita mais ainda e a gritaria está generalizada e dominou o ambiente e sabe qual é o pior: ele não está ouvindo absolutamente NADA do que você está dizendo. Ou melhor….GRITANDO.

Portanto quando a crise passar, converse com ele. Pergunta o que estava deixando ele mal e que se ele não falar não tem como saber.

Aqui a Marina ainda não fala direito. Então normalmente pergunto: é isso que você quer? é o desenho que você que ver? é o copo que quer pegar?

Quando ela responder SIM, aí eu explico, falo que não gostei do que ela fez. NUNCA a chamo de feia, mas enfatizo que ela mostrando e apontando a mamãe pode ajudá-la.

Não ceda ao chilique e a birra

Principalmente em público é bem complicado.

A vontade é sair dando pra criança tudo o que você vê pela frente pra distraí-lo.

Lógico, ficamos constrangidos. Mas quando acontecer em público não tem jeito. A solução é pegar a criança a força e levar para um lugar mais tranquilo.

Afinal, ninguém merece assistir a cena e você acabará ficando mais stressada e com vergonha.

Consequência: ou você vai ceder e vai acabar estragando tudo o que ensinou ou vai ficar tão stressada que vai acabar se descontrolando e por mais irritante que seja, ele precisa de compreensão nesse momento.

Dê castigos fáceis de cumprir

SIM, sou super a favor do castigo e aqui está funcionando bem.

Desaprovei? Vai pro castigo.

Não no momento do ataque, mas depois vai. Coloco ela no quarto e falo: “Você sabe que a mamãe não gostou do que você fez né? Vai ficar de castigo pensando no que fez.

Saio e encosto a porta. Não exijo que ela fique sentada. Mas ela fica no quarto sem brincar.

E vamos combinar. Para uma criança de um ano (quase dois), 2 minutinhos de castigo é o suficiente.

A médica aqui de Portugal recomendou um minuto por idade.

Mostre que o ama e o que é certo

Isso aí, birra amenizada, castigo castigo cumprido? Hora de dar aquele abraço gostos e enfatizar que assim que é bonito e assim que você quer que seja.

Normalmente entro no quarto depois do castigo e falo: “Você pensou no que você fez? Agora me dá um beijinho.” e depois do beijinho eu faço a festa mostrando que essas atitudes que são corretas.

Evite situações de stress

Você conhece seu filho mais do que ninguém.

Tente então evitar situações que você sabe que pode vir a gerar um stress.

Se sabe que ele fica irritado com fome, leva um lanchinho.

Se sabe que vai sair e demorar e ele com sono fica o catiço, leva o carrinho. uma mantinha e deixa ele tirar um cochilinho.

Relaxe

Perceba se durante o dia você não tem falado muito NÃO, deixando seu filho muito irritado e criando um stress desnecessário.

Será que comer uma batatinha frita vai fazer tanto mal assim? Será que 5 minutinhos a mais brincando vai atrapalhar seu dia? E aquele sapato nada a ver? ninguém vai morrer se ele usar.

Pense nisso.

Curtiu? Não esquece de compartilhar e seguir a gente no instagram e Facebook,

@encontrodemamaes

 

Quando do mundo corporativo me libertei

trabalhar de casa

Um dia qualquer depois da escola

Há 1 ano atrás eu publiquei um dos post que mais fizeram sucesso aqui no Blog: Filho x Carreira – A decisão mais difícil da minha vida!, onde eu conto um pouco sobre meu processo de saída do meu emprego para tocar meus projetos pessoais e profissionais e quem sabe um dia conseguir trabalhar de casa.

Desde então, semanalmente eu recebo dúvidas e comentários de mães, que admiram minha coragem e assim como eu tem vontade de dizer adeus ao mundo corporativo…a bater ponto…e passar mais tempo agarrada nas crias.

Lógico…tem mães que gostam, que curtem essa correria do dia a dia. Que precisam estar nesse meio. Faz bem pra elas. E é isso aí…temos sempre que fazer o que nos faz bem.

Mas não era o meu caso rs e sei que não é o caso de grande parte das mães….e desde o início esse é o objetivo do BLOG…ajudar as mães que se identificam com algumas situações e divulgar as minhas experiências.

Então vamos lá…

Desde que a Bela nasceu, eu sentia uma necessidade absurda de ficar em casa.

A volta da licença maternidade foi um dos piores dias da minha vida. Aff…chorei de soluçar uma semana antes de voltar a trabalhar.

Mas….voltei…e???? Na zona de conforto eu entrei. Meu maior erro.

Fui empurrando com a barriga…empurrando…empurrando…

Chegava em casa, ela dormindo e eu chorava. Saía pra trabalhar e a deixava na creche com o coração dilacerado. Ia para o trabalho e chorava.

E assim foram…meus dias….durante anos….rezando pra chegar o fim de semana.

Até que engravidei da Marina….e desde então jurei a mim mesma que não ia cometer o mesmo erro.

Maasss…a licença foi acabando e cadê a coragem de ir no RH e abrir mão do meu salariozinho todo dia na conta? Cadê?

Voltei….e a coragem não vinha. E sempre a mesma desculpa (de mãe que se sente culpada) tomava conta de mim: “Ahh toda mãe passa por isso.” “Ahhh,, como vou pagar a festinha de aniversário”.”Ahhh, e aquela viagem pra Disney (que por sinal elas nunca foram), como vou pagar”.

“Não consigo ficar em casa sem fazer nada …vou surtar”.

OPPAAAA…e quem disse que precisamos ficar em casa sem fazer nada? Primeiro que cuidar de bebê já dá um trabalho do %$#@*&. E de bebê e criança mais ainda. E de bebê, criança e casa….nem precisa comentar né não?

Mas aí juntou a situação da empresa que não estava muito favorável. A minha sede de sair e tocar meus projetos pessoais e profissionais e o curso de negócios online que eu fiz pra ver que sim….é possível a gente se realizar como mãe, mulher e profissional.

E Simone, valeu a pena?

Se você me acompanha lá no instagram a resposta está na cara rs (ó eu babando a cria na saída da escola aqui em baixo).

Pegando a \marina na escola depois de trabalhar de casa

Se não acompanha, posso garantir que valeu muito a pena.

É claro…precisamos sempre de um planejamento para não ficarmos perdidas. Afinal, no meu caso, foram 17 anos no meio corporativo.

Na primeira semana bateu o desespero do tipo:” o que eu fiz da minha vida?”.

E confesso que naqueles dias de stress em que a casa está bagunçada, filha chorando, marido de mau humor, dá uma vontadezinha de sair pra trabalhar. Mas dá e passa rs.

Ah, mas mesmo assim eu não tenho essa coragem…

Pois é…eu também não tinha. Achava que era impossível conseguir isso…

Vejo muitos amigos, com filhos ou sem filhos, infelizes no que estão fazendo e me dá uma agonia.

Essa mudança pra Portugal me fez evoluir muito. Abdicar de muitas coisas que antes eu achava essencial e que hoje eu vejo que é muito melhor viver sem.

Claro, abdiquei de alguns luxos…mas em troca ganhei o tempo que eu sempre sonhei com a minha família.

E como sempre falo, o pior arrependimento é o do tempo perdido.

Como me organizar então pra trabalhar de casa?

Arraaa…aí é que está.

Pesquisei muito. Falei com mães que conhecia na internet na cara de pau.

Perguntei sobre a rotina, se elas tinham se arrependido, como elas faziam para não perder a independência financeira e fiz alguns cursos on line que além de me nortearem, me ajudaram nessa organização.

Portantoooo…estou eu aquiiii rs

Consolidando em um documento as dicas que recebi e o que implementei para conseguir organizar minha vida e conseguir trabalhar de casa.

Se você estiver interessado em receber, assina o blog aqui no canto direito da barra de rolagem que eu vou mandar o email pra você.

Se gostou, chama as amigas mães, que não são mães, os amigos, as avós, pra receber também.

Vamos criar uma rede de mães empreendedoras…que tal? Acho que muita coisa bacana pode sair daí.

E segue a gente lá na no instagram , tem muito assunto bacana e muita gente legal pra conhecer.

Escola Pública x Particular em Portugal – Nossa experiência

Escola Pública em Portugal

Fala pessoal…

 Ufa…

Ano letivo começou aqui em Portugal …e finalmente criançada foi pra escola…

Digo finalmente, pois a Bela já estava na escola lá no Brasil e há 3 meses (desde que chegamos, cá em Portugal) que ela estava em casa. Isso estava me deixando extremamente agoniada.

Marina com 1 ano e 7 meses é menos preocupante. Mas a Bela precisava desse momento. E é claro…que eu também né? Vamos combinar que ficar 3 meses acordando e inventando como distrair as crianças não é nada fácil.

Ok! Confesso….eu estava doida pra ela voltar e eu poder descansar…sair com as amigas e poder ver falar de qualquer assunto que não seja relacionado a criança…#prontofalei

Mas aí como TODA mãe que se preza, o que aconteceu? Elas foram pra escola….sozinha eu fiquei….e escondida chorei. Ok…escondida não porquê a escola toda viu…#momentovergonhaalheia.

Mas nada melhor do que sentar aqui e escrever pra saudade passar e na rotina eu entrar.

Bem, vamos lá….

Esses dias no meu instagram (se você ainda não segue, corre lá: @encontrodemamaes  ) mostrei um pouco das escola das meninas…e simplesmente  bombou de perguntas e dúvidas sobre o sistema escolar daqui.

No momento estou com as duas experiências. Bela na escola pública e Marina na escola particular.

Então vamos lá tirar algumas dúvidas e matar algumas curiosidades.

ESCOLA PÚBLICA

A escola pública é boa? é de graça? é obrigatória a partir de que idade?

Essa, entre outras perguntas eu recebo diariamente.

Então vamos falar um pouco do ensino público para depois eu retratar minha experiência.

Bem, a escola é obrigatória em Portugal,  a partir do ensino básico, ou seja, a partir do 1° ano (o ensino básico compreende o 1°, 2°, 3°e 4° anos), quando a criança já tem 6 anos de idade.

Portanto, não se preocupe se você chegou no meio do ano letivo ou se seus filhos ainda não tem cidadania ou residência. Se eles tem 6 anos ou mais, eles não ficarão sem estudar. Pode ser que eles não estudem na escola mais perto da sua casa, mas o governo TEM QUE colocá-los em uma escola.

Para  quem tem crianças até 3 anos, já fica mais complicado achar vagas nas creches públicas, já que não faz parte da escolaridade Obrigatória de Portugal.

Como faço para matricular meu filho em uma escola pública?

A primeira coisa coisa que você tem que fazer é ir na junta da freguesia da sua região e se informar quais são a escola que pertencem aquela região (se você quer colocar seu filho perto da sua casa, vá na junta da freguesia de onde você mora. Se quiser colocar perto do trabalho, vá na junta da freguesia de onde você trabalha).

Definido as escolas,você precisa descobrir o período de matrícula e onde é a matrícula. Normalmente é entre abril e junho e é na escola sede do agrupamento.

Mas como eu disse anteriormente, se você chegou depois do período de matrículas, basta se dirigir a escola SEDE e obter informações de como se dará o processo e em quais escolas há vaga.

Documentação

No dia da matrícula, você preencherá um formulário indicando 5 escolas em ordem de preferência.

Portanto, dê uma olhada em todas as escolas do agrupamento, pesquise e leve anotadinho. Não faça como eu que cismei com uma, queria essa (e graças a Deus consegui) e não sabia o nome das outras e precisei colar de uma outra mãe. Afinal, nem sempre o que é bom pra ela é bom para mim.

Lá eles vão te pedir uma foto tipo passe da criança (nossa foto 3×4), o cartão cidadão ou passaporte seu e da criança, comprovativo de morada (ou se quiser colocar perto do trabalho, tem que ser um comprovativo do seu endereço do trabalho), o NIF (CPF brasileiro, importante tirar assim que chegar…em breve um post sobre isso) seu e da criança e o boletim de vacinas (pode ser o do Brasil).

No caso da Bela, como era pré escola, só precisei desses documentos. Mas se o seu filho já está no 1° ano ou acima, precisa do histórico escolar devidamente apostilado, de acordo com o apostilamento de Haia.

Matrícula feita…é hora de esperar sair a lista das escolas e ver onde seu filho vai estudar.

 

A escola pública é de graça?

Sim e não rs.

Não se paga mensalidade na escola pública, mas se paga o almoço, lanche e prolongamento.

A Bela por exemplo é do Pré. Então ela pode entrar entre 8:30 da manhã e 9:10 (quando se fecham os portões). A saída é as 15:30. Mas ela pode sair as 18 hs se eu pagar o prolongamento.

O valor do prolongamento varia de acordo com o escalão (quanto você ganha) e tem 3 valores: 85 euros, 44 euros ou 12 euros.

No caso do Pré escolar, o inglês não é obrigatório, mas você tem a opção de pagar o inglês a parte, 20 euros (não sei se muda de escola pra escola).

E o almoço e lanche também são pagos por dia e também varia de acordo com o escalão, ou seja, quanto você ganha. Mas você tem a opção de mandar de casa.

O almoço pode ser 1,50 euros/dia ou 0,73 euros/ dia ou de graça.

O lanche pode ser 0,50/dia, 0,25/dia ou de graça. Vale muito a pena mandar.

A escola é boa?

No geral as escolas públicas são muito boas. Essa da Bela é excelente em termos de infra estrutura. É uma escola nova (5 anos), muito lúdica, LINDA e bem acolhedora.

O ensino é o melhor da região que moramos e tem fila de espera pra ela.

Mas já ouvi dizer que nem todas aqui são assim. No geral o ensino é EXCELENTE e melhor que as particulares do Brasil, mas em termos de estrutura tem algumas mais antigas. Portanto é fundamental pesquisar.

Uma coisa que achei muito legal aqui…é sobre o apadrinhamento, onde um aluno de uma série mais nova, apadrinha um aluno mais novo para mostrar pra ele a escola, tirar dúvidas e etc.

Ajuda na socialização do novato e ajuda os mais velhos a terem um senso maior de responsabilidade com os pequenos, cisa que vejo muito aqui na Europa….falei um pouco disse no meu insta…

ESCOLA PARTICULAR e IPSS (Escolas financiadas pelo Estado)

É muito cara? Funciona igual ao Brasil? É melhor do que a Pública?

Bem, aqui optamos por colocar a Marina em uma creche/escola e como ela tem apenas 1 ano e 7 meses, é praticamente impossível colocá-la em uma creche pública, por falta de vagas.

Pesquisei 5 escolas e me apaixonei por todas. Cada um do seu jeitinho. Realmente gostei de todas. Mas essa que escolhi foi o melhor custo-benefício.

Valores e Horários

Bem, assim como no Brasil, temos as escolas mais caras e as mais baratas. Mas mesmo assim os preços são incomparáveis. No Brasil uma creche está mais caro do que uma faculdade.

Aqui em Portugal os preços variam de 220 euros até 400 euros. Mas veja bem….a de 400 euros são as bilíngues.

Aqui não se tem a opção de deixar meio período, como no Brasil. O ensino é integral tanto nas públicas quanto nas privadas.

Na idade da marina, é claro que é mais flexível. Posso pegar a hora que eu quiser, mas sem ser bagunça e respeitando as rotinas das crianças. Mas na mensalidade ela pode entrar a partir das 7:30 e pode ficar até às 17 hs.

Assim como na pública eu tenho a opção de pagar o almoço e lanche ou levar de casa.

O valor do almoço + 2 lanches varia de escola pra escola e é na faixa de 80 a 85 euros/mês.

A escola funciona como no Brasil?

No geral eu achei bem parecida. Tem a fase de adaptação, o desfralde,,etc.

As escolas que vi são bem acolhedoras.

A rotina é bem diferente. Aqui os bebês não tomam banho na escola/creche e nem se tem o hábito de escovar os dentes após almoço em nenhuma idade. Difícil se adaptar né não?

Ahhh e para as mamães de festeira de plantão, aqui se tem o hábito de ter festinha na escola sim. Mas é festinha tá? Limitando-se a um bolo e um suco e normalmente os pais não participam.

A ESCOLA privada é melhor que a ESCOLA pública?

Bem, não podemos generalizar. Existem escolas boas e ruins em qualquer sistema.

Apesar delas estarem em idades bem diferentes e ser um pouco difícil a comparação, uma coisa eu posso garantir.

Assim que puder colocarei a Marina na escola pública e se possível na da Bela.

Ainda estamos no começo do ano letivo e não pude sentir muito em relação ao ensino…mas em relação a organização (desde a apresentação, adaptação, etc) eu estou gostando mais da escola da Bela.

Não que eu desgoste da escola da Marina, mas a da Bela surpreendeu.

Sala da Marina - Escola Particular

Sala da Marina – Escola Particular

Escola da Marina

Escola da Marina

E as creches/escola IPSS?

Essas escolas IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social), que só descobri que a da Marina é depois da matrícula, são instituições particulares mas em que dependendo do seu escalão, ou seja, do seu rendimento familiar, o governo ajuda. Então por exemplo, na escola da Marina, se você estiver no escalão A, pode pagar 50 euros e ainda ser isento do almoço e lanche.

Ah uma dica valiosa, muita gente me pergunta como me organizei pra essa mudança, com tanta  tanta informação na internet.

Pois é gente…além dos grupos de facebook que me ajudaram bastante, esse Guia de Morar em Portugal foi fundamental para essa viagem dar certo e conseguir transformar nosso sonho em realidade. Vale muito a pena ler.

Gostou do Post? Não esquece de assinar o blog e compartilhar.

E é claro…segue nossa aventura lá no instagram…(@encontrodemamaes)

 

Vida de Expatriado

Há quem ache que a vida de expatriado é fácil.

Há quem ache que por estar na Europa estou livre de todos os problemas existentes.

Não se engane. A mudança é grande. Tudo o que você fazia no seu país de origem de forma cotidiana, se torna um desafio aqui.

Mas que fique claro…estou dizendo que a vida de imigrante é difícil…mas não ruim.

Muitos “nãos” você vai encontrar…por muita saudade você vai passar…e por muitas vezes no primeiro avião ✈️ você vai querer entrar e para o seu país voltar.

Mas não se engane… todo mundo passou por isso… e porque você não vai passar?

Mas sabe o que vai fazer essas situações você encarar ?

É a sua disponibilidade de mudar.

Esteja aberto a mudanças… a conhecer gente nova…enfim… SE JOGA!

O mais difícil você encarou… você pegou um avião e a “todos” no seu país você deixou.

Não existe lugar perfeito pra se morar… o que existe é a sua disponibilidade de mudar e como os problemas você vai enfrentar… PENSE NISSO .

E de tudo uma coisa posso te garantir… .
sua família será a única coisa de valor que você terá aqui.

De todas as futilidades você vai se despir..

E uma força não sei de onde vai surgir e sua família ainda mais vai se unir.

E o melhor de tudo… com todas as dificuldades… daqui nunca mais você vai querer sair.

Já segue a gente no instagram? Ainda não? Clique aqui e acompanhe nossa aventura por Portugal.

Nosso refúgio em Cascais – Lisboa

A única coisa certa na vida de um imigrante, para qualquer lugar que ele vá, são os altos e baixos que ele vai passar.

E aqui não foi diferente.

Como falei no post anterior ” 2 meses em Portugal – Dicas e Experiências “,  é preciso saber lidar com essa enxurrada de sentimentos. Mas quem diz que a gente sabe?

Não, não sabemos…e uma das coisas mais fundamentais para quem está nesse processo de adaptação é o reconhecimento de terreno, da vizinhança.

Lá no seu país você tinha sua cama pra chorar…seu travesseiro para afogar as mágoas. Corria pro colo da amiga em qualquer perrengue não planejado.

Mas o que fazer quando sua cama é estranha, seu travesseiro não tem mais seu cheiro e sua amiga está separada de você por um oceano?

É preciso buscar lugares que você se identifique. Lugares que te dão paz.

Aquele lugarzinho que quando bater aquela deprê de fim de tarde de um domingo na Europa, vai te abrigar, te energizar, te fazer não pensar e te dar força e coragem pra seguir adiante.

Aqui o nosso lugar escolhido foi  Parque Marechal Carmona e a Praia de Santa Marta.

Bem, o parque por causa da minha psicopatia por piqueniques. Parque maravilhoso com um gramado enorme onde as famílias passam tardes jogando bola, disco, fazendo piquenique e sendo felizes.

Com 3 parquinhos divididos por faixas etárias, patinhos, pintinhos, pavão e etc. soltos fazendo a alegria da criançada.

Lá você vai pra esquecer da vida. E o melhor….basta cruzar o parque pra você cair na praia mais bonita de Cascais na minha opinião. A praia de Santa Marta.

Lá você vai pra se energizar…deixar tudo de ruim pra água do mar levar…que delícia de lugar.

Sem mais delongas, confere aqui o vídeo e me diz….tem como escolher outro lugar?

 

%d blogueiros gostam disto: