A primeira experiência com a perda. Eles sentem.

A primeira experiência com a perda…

Difícil…

Quem me segue no instagram viu que passei um dos piores momentos da minha mudança, 3 meses depois da minha chegada.

A perda da minha vó. A perda da bisa das meninas. A perda da paixão da minha vida. Aliás, perdi as 2 avós quando cheguei em Portugal. A minha avó paterna faleceu depois de 2 semanas aqui e isso nos desestabilizou um pouco. Mas eu tinha pouco contato com ela. As meninas também. Foi difícil? Foi. Toda perda dos que amamos nos faz questionar uma série de coisas. Mas não houve tanto questionamento por parte da Bela, pois o contato com ela era bem pequeno e isso facilitou as coisas.

Já a minha vó materna não era só uma vó de final de semana. Minha vó ajudou a me criar. Minha vó ajudou a criar minhas filhas.

Minha vó morava com meus pais. Eu todo dia estava na casa dos meus pais. Nos últimos 4 meses pré mudança eu aluguei meu apartamento e fui morar com meus pais e com a minha vó.

Minha vó era A VÓ.

Guerreira. Ativa. Lúcida no auge dos seus 93 anos.

Amava cozinhar para as meninas. E nada de colocar a louça na máquina. Isso é para os fracos rs. Ela gostava mesmo era de lavar na mão.

Tudo feito com muito capricho.

Sempre presente em TODOS os momentos marcantes da minha vida.

Aniversários, casamento, noivado, descoberta da gravidez, parto, primeiros cuidados, primeira papinha, etc.

Não é a toa que as meninas eram apaixonadas por ela.

Vibravam quando ouviam ela sair do quartinho dela e arrastar aquele chinelinho pela casa.

Amor de bisa

26/05/201 7

A última vez que a vi. A ÚNICA pessoa a qual eu não tive coragem de me despedir. Simplesmente deixei ela ir. Como se no outro dia eu a fosse encontrar de novo. Pensei que assim fosse mais fácil…mas não foi….não tinha jeito fácil ao vê-la partir.

28/05/2017

Data da minha mudança. Data em que eu peguei o vôo para Portugal…graças a ela…minha vó…Portuguesa. Se não fosse ela, eu não estaria aqui. Eu não poderia estar aqui.

Criança sente. A gente sente.

Lembro como se fosse hoje. 19/08/2017 Bela se aninha no sofá, do meu lado e com bico igual ao meu quando quer chorar… chega e fala: “Mamãe, estou com saudades da bisa.”

No dia anterior eu havia feito um post no instagram. Não tinha como ela saber.

A cena se repetiu inúmeras vezes TODOS os dias.

Várias vezes peguei ela quietinha e perguntei: “Bela, aconteceu alguma coisa?”. E ela disse: estou com saudades da bisa.

15/09/2017 – Meninas na escola. Marcus chegou em casa…eu me descontrolei. Chorei. Compulsivamente chorei. O Porquê? Eu não sei…simplesmente chorei.

Parecia que ali eu já imaginava o que estava por vir.

Ela se foi

Dois dias depois ela se foi…dia 17/09/2017, vésperas do meu aniversário de casamento.

Minha vó estava internada há alguns dias…poucos dias. Mas eu estava tão tranquila. Minha vó já saiu de tantas. Há anos atrás o Marcus já tinha me aconselhado a esperar pelo pior quando ela passou por uma internação.

Minha mãe estava preocupada. Eu? nenhum pouco. Tinha certeza que não seria nada.

Mas dessa vez foi. Dessa vez, ela se foi.

Marcus me deu a notícia.Foi um soco no estômago. Foi uma dor física. Tive que me abaixar. E ele me amparar.

Bela assustada perguntou porque eu estava a chorar….mas eu não a quis assustar. Disse que o papai me deu um susto…foi o que mais rápido eu consegui inventar.

Doeu…dói…me desestabilizou. Desestabilizou a todos nós.

As bisas nunca morrem

“As bisas não morrem…elas viram estrelinhas lá no céu….e a mais brilhante é ela piscando pra você.”

E foi assim, no dia seguinte, que eu expliquei pra Bela o que tinha acontecido.

Por incrível que pareça ela perguntou  quando veria a Bisa. E eu disse que papai do céu gostava tanto, mas tanto da bisa que levou ela para o céu em forma de estrelinha pra ficar perto dele.

E que papai do céu gosta tando, mas tando dela (Bela), que agora ela pode ver a bisa todos os dias. É só olhar para o céu e ver a estrelinha mais brilhante.

Família reunida no batizado da Marina

A primeira experiência com a perda

Agradeço muito a oportunidade das minhas filhas poderem ter convivido e MUITO com a bisa.

Agradeço muito a bisa poder ter convivido com elas. Com certeza foram momentos muito felizes para as 3. Momentos que marcam a infância. Momentos que marcam a vida.

Há quem diga que criança tem que saber a verdade. Eu já sou a favor de contar da melhor forma pra idade.

E foi assim que passamos e estamos passando pela nossa primeira experiência com a perda.

Pra mim…e pra elas.

Uma homenagem a minha vozinha…

Deixe um comentário