Viajando para Europa com bebê – Parte I

Confesso que diferente das pessoas que eu conheço, nunca tive o sonho de levar a Bela para a Disney. Ainda mais com 2 anos.

Sei que ela iria curtir horrores, e vai (pois com certeza um dia levarei). Mas não está em nossa lista de prioridades. Ainda mais depois que fizemos a primeira viagem para a Europa (quando a Bela tinha apenas 1 aninho).

Ficamos tão encantados com a beleza e ao mesmo tempo com a simplicidade de viver dos europeus e com tudo o que as cidades tem a oferecer para adultos e crianças, que a nossa segunda viagem grande foi para a Europa de novo.

Fazer viagens grandes com crianças tão pequenas pode parecer um pouco assustador para alguns pais. Ainda mais na época em que fomos: Dezembro.

Pegamos temperaturas baixíssimas, com sensação térmica de até -10°C. (para quem mora em um país em que a sensação térmica chega a 50°C, realmente fomos corajosos.), mas em momento algum cogitamos a hipótese de não levar a Bela.

Aqui nosso lema é: se não vai ser bom pra Bela, não vai ser bom pra gente. Ela é nossa parceirinha e não teria sentido fazermos uma viagem dessa, com tanta coisa nova para se ver, se não pudéssemos dividir com ela essa experiência.

Mas é lógico que viajar com uma criança, não é tão fácil e é necessário certos cuidados. Foi preciso todo um planejamento meses antes de irmos. Mas com tudo planejado e organizado, pudemos fazer uma viagem deliciosa e curtir mais uma aventura com nossa pequena.

A primeira coisa a se pensar é no avião. Um vôo de 12 horas é extremamente cansativo para as crianças e precisamos pensar no melhor horário para se viajar, no que levar de distração, etc. Aqui tem um post completo sobre dicas para viajar de avião com bebês, o que nos proporcionou 12 horas de muita tranquilidade (pelo menos na ida rs, já que o vôo foi  a noite).

Um mês antes, já comecei também a me preparar com a saúde da Bela.

A Bela é uma criança que tem os “ites”: Sinusite e rinite e um pouco antes da viagem ela teve umas complicações com a saúde. O que me deixou extremamente neurótica.

A levei na pediatra e começamos as vitaminas, homeopatias, e um S.O.S. com antibiótico caso ela tivesse alguma complicação lá. O que também nos rendeu uma viagem muito tranquila nesse ponto, já que a Bela não teve absolutamente nada.

Depois disso, nossa preocupação foi com o frio. Coloquei um post interessante sobre isso, mas resumindo: uma blusinha quentinha em baixo de tudo, depois uma blusa térmica e um bom casaco, com gorros e luvas foram suficientes para que a Bela não sentisse frio. E quando a coisa apertava, um carrinho doado pelo meu irmão rs com um saco que a protegia do frio.

O carrinho…item super importante.

Gente…até para crianças maiorzinhas. NÃO DEIXEM DE LEVAR CARRINHO. Na Europa, nem todos os passeios e transportes contam com escadas rolantes, então fica meio cansativo subir e descer escadas com carrinho. Mas também não é nenhum bicho de sete cabeças. Nada que um trabalho a 2 não resolva. Marido segura na frente e você atrás e vai.

Nas nossas viagens o ritmo é pauleira. Acordamos cedo e tentamos desbravar o mundo em um dia. Então quando a Bela não aguentava, ela ia para o carrinho e dormia muito bem.

Um item super importante que sempre esqueço, mas minha super mãe sempre lembra é a capa de chuva do carrinho. Um acessório muito útil que ajuda a proteger do frio e da chuva.

Só mais uma coisinha…Sei que se conselho fosse bom a gente não dava….mas quem está em dúvida de viajar para a Europa com o filho ou sem o filho, eu sugiro que faça com o filho.

Foi mais cansativo, mas muito mais prazeroso.

Passamos pela Holanda, Alemanha, Bélgica, Luxemburgo.

Portugal também estava no roteiro, mas por obra do destino rs nosso vôo foi cancelado.

Bem…é isso.

Espero que tenho encorajado alguns pais a repensarem e viajar com seus filhotes.

foto 5 DCIM100GOPRO foto 1

Um comentário sobre “Viajando para Europa com bebê – Parte I

  1. Andréia

    Estou querendo ir para Londres com meu filho que estará com nove meses no mês da viagem, como já conhecemos a cidade queremos também conhecer a Itália.O que vc sugere? Obrigada,Andréia!

Deixe um comentário